Dallagnol cobrava R$ 35 mil por palestras sobre a Lava-Jato

Coordenador da Lava-Jato realizo inúmeras palestras e pediu que site da agência retirasse informações do ar após notícia.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, as palestras eram contratadas por meio de um site especializado em vendas de palestras, o motiveacaopalestras.com.br, onde suas palestras eram vendidas por valores entre R$ 35 mil e R$ 40 mil. O procurador usava temas como a história da Lava-Jato e corrupção. Após ter seus anúncios ‘flagrados‘ pelos holofotes da mídia, Deltan Dallagnol pediu para que a empresa Motiveação retirasse imediatamente as informações do seu site.

Não é a única controvérsia do procurador e coordenador da Lava-Jato. Deltan também recebe auxílio-moradia de quase R$ 5 mil, apesar de possuir imóvel próprio em Curitiba e mais 2 imóveis adquiridos através do programa Minha Casa Minha Vida, voltado a famílias de baixa renda. Sergio Moro também recebia o auxílio e também possuia imóvel em Curitiba. Quando confrontado, Moro alegou que o auxílio compensaria perdas de reajustes salariais (Moro recebia por mês cerca de R$ 28 mil + benefícios, eventualmente chegando a mais de R$ 100 mil).

lava-jato-dallagnol-3

Explicação do coordenador da Lava-Jato

Em relação às palestras, em sua defesa, Deltan alega que ‘praticamente todo o valor’ era repassado à entidade em forma de doações. De fato, o hospital que recebeu suas doações contabilizou R$ 219 mil apenas em 2016, mas seria menos da metade do valor total recebido pelo coordenador da Lava-Jato, segundo cálculo feito pelo jornal GGN com dados fornecidos pela própria agência de palestras.

Deltan também afirmou, na época, o seguinte: “não falo sobre contratos específicos porque eles têm cláusulas de confidencialidade”. Embora possamos nos questionar do ponto de vista ético ou moral, de acordo com o Conselho Nacional do Ministério Público, as palestras ofertadas pelo procurador foram legais. E você, leitor, o que acha?

Deixe aqui seu comentário!

Deixe uma resposta